Many Worlds, Many Languages

11 de julho de 2014

Por que os Deuses Gregos e Romanos não são os mesmos? Qual a diferença?

Essa é minha opinião sobre o assunto.

Os Deuses gregos incorporam o que a cultura helênica (e não helenística, existem diferenças extremas) representa e pratica.

Os Deuses romanos o que a cultura latina (no sentido de cultura dos povos romanos pagãos - pré cristãos - que falavam latim) representa e pratica.

Os Deuses gregos tem origem em culturas advindas de vários povos das Cíclades, do oriente próximo e das tribos de povos da península balcânica. Os Deuses romanos tem origem nos etruscos.

O que aconteceu foi que no decorrer do processo cultural romano, muitos aspectos da cultura grega se tornaram sinônimos de elevada apreensão cultural, boa formação educacional e capacidade intelectual entre a aristocracia daquele povo. E aí aproximar-se do que os helenos representavam foi consequência disso. Mas logo durante o séc III e IV d.C., os romanos voltam-se muito mais pra cultura e apreensão mitológica dos etruscos do que dos gregos. Vide o exemplo do mito de Cronos comendo seus filhos: em Roma, Saturno não come e nem engole seus filhos, ele sequer é uma divindade do tempo, e sim da agricultura. O que acontece no mito romano/etrusco é que ele é um rei com poderes divinos vindo de outras terras e que ao encontrar Janus (outro rei no escopo etrusco) divide poder, sabedoria e conhecimento com ele e reinam na Idade de Ouro (na visão romana da coisa). Júpiter é outro rei (percebe-se a questão da divinização de antepassados aqui, pois todos eles eram humanos, nesses mitos. Com poderes divinos, mas ainda assim, humanos) que luta contra Saturno e toma o poder. Simples assim, sem ninguém comendo ninguém e tal.

Essa é uma das várias diferenças entre Romanos e Gregos.

Romanos são muitos mais ligados a tradição e a ortodoxia das suas práticas religiosas.

Helenos (Gregos) são ligados a ortopraxia e a não manutenção de um sistema religioso bem definido e dividido em hierarquia.

Romanos tem o Mos Maiorum (tradição ancestral) como eixo guia de sua civilização para manter a Pax Deorum (paz com os deuses) em vigência.

Helenos (Gregos) acreditam e praticam a Métron (moderação, equilíbrio) e a Eusebia (zelo e atenção para com as práticas e deveres com os Deuses) como um dos vários aspectos da Paideia (sistema educacional grego).

Romanos abominavam a democracia e lutaram e impediram a vigência disso até o fim da sua civilização.

Helenos (Gregos) inventaram a democracia e acreditavam que só esse poder compartilhado poderia ser um método equilibrado de expressar e fazer política (no sentido atual do conceito).

Então, é isso!

Eirene Theoi.
(Siga com a Paz dos Deuses)

Álex Hylaios

 

Feitiço para estimular o Amor Próprio

Esse feitiço não vai resolver todos os seus problemas de depressão, de baixa auto estima e de traumas de infância. Você quem vai resolver. Esse feitiço vai estimular seu potencial pra alcançar essa cura interna.
Um ótimo livro sobre o assunto é: Amor Mágico da Laurie Cabot.


O Feitiço de Amor Próprio (criado por Álex Hylaios)


Materiais:
1 pano vermelho (que dê pra enrolar todo o espelho nele)
1 espelho (que dê pelo menos pra você ver seu rosto todo nele)
Essência de Rosas
Artemísia
Alecrim
Sálvia
1 pote de vidro
1 quartzo rosa pequeno (que caiba dentro do pote)
Pedaços de Canela
Cravos
Tinta vermelha (acrílica é de boa)
Óleo mineral (ou óleo de sementes de uva, mais legal ainda)

Modo de Fazer:
Prepare um chá da sálvia, artemísia e alecrim (ferver os 3 juntos e coar depois) e lave o pano vermelho nele. Enquanto lava o pano entoe o encantamento:
"Estou a te purificar, de todas as memórias do passado que encontravam em ti seu lar
Limpo vai estar, para que meu trabalho possa abençoar.
Abençoado está pelo Amor que em mim vai inspirar." - Deixe o pano secar e não o enxágue com água.

Purifique o espelho com água e fogo (aspergindo com as mãos e passando uma vela pelo espelho), dizendo: Limpo do passado, seu objetivo real é revelado. Pela minha vontade e meu poder, através das forças do Amor te torno um instrumento sagrado.

Medite com o espírito da pedra (quartzo rosa) e peça o seu auxílio e suas bençãos pra magia de amor próprio que fará. Peça para pedra adicionar e potencializar a energia do óleo que vai preparar.

Purifique o pote como quiser, e misture o óleo, os cravos, a canela, algumas gotas da essência de rosas e o quartzo rosa. Diga: "Abençoado por minha magia, teu poder será condutor. Condutor para minha verdadeira beleza, condutor para minhas próprias proezas, condutor para meu próprio amor!" Repita 3 vezes.

Desenhe símbolos que te remetam ao amor no pote, com a tinta vermelha (corações, símbolo de Vênus, o símbolo de Áries, o símbolo de Touro, etc). Coloque as iniciais de seu nome na tampa do pote. Unte o espelho com esse óleo numa noite de lua cheia e admire-se no espelho.

Reforce no seu pensamento a ideia de que você é perfeito como você é. Coloque uma música, dance, cante, expresse sua beleza interior e direcione essas energias ao espelho.

Lembre-se que toda vez que se olhar no espelho, fortalece sua conexão consigo mesmo. Fortalece sua identidade pessoal, seu self, e consequentemente, seu Amor Próprio. O pano é o manto de poder que vai proteger e manter as energias estáveis no espelho. Mantenha-o sempre enrolado no espelho quando não estiver usando. O óleo pode ser usado em todos os seus feitiços de amor. E seu espelho é agora um instrumento sagrado de conexão com as potências do Amor.

Abençoad@ sejas pelo Mel Sagrado de Afrodite e Pan.